13 de julho de 2014

Fragmentos: Coisas da Vida


Hoje trouxe alguns quotes de um dos meus livros favoritos. É um livro composto de várias crônicas escritas por uma autora maravilhosa: Martha Medeiros. Cada crônica traz e conta uma verdade sobre o cotidiano. Temas como amor, traição, felicidade, memórias e diversas atitudes humanas estão sempre presentes em suas crônicas. Como não é uma história contínua com começo, meio e fim o livro pode ser lido a qualquer momento e a cada página é possível fazer uma pausa para refletir um pouco. Vale muito a pena ter esse livro na cabeceira.
A maturidade é um álibi frágil. Seguimos com uma alma de criança que finge saber direitinho tudo o que deve ser feito, mas que no fundo entende muito pouco sobre as engrenagens do mundo. "Todo o resto", p. 12.
Mas é que fiquei com esta história de "melhorar para pior" na cabeça, tentando detectar o que significa isso; e se bem entendi, melhorar para pior é quando se perde a alma. Se conseguirmos evoluir e ao mesmo tempo manter a alma intacta, aí é o nirvana: melhorar para melhor. "Melhorar para pior", p. 16.
Quero e não quero a mesma coisa tantas vezes ao dia, alterno o sim e o não intimamente, tenho dúvidas impublicáveis, e ainda assim me visto com sobriedade (...) "Os lúcidos", p.24
É lá no fundo que estão as razões verdadeiras que levam as pessoas a mudar ou a manter as coisas como estão. É lá no fundo que os desejos e as necessidades se confrontam. Em vez de se queixar, ganharíamos mais se nadássemos até lá embaixo para trazer a verdade à tona. "A vida que pediu a Deus", p. 30.
Porque nada mais faz sentido nesta vida senão o dinheiro. E quanto mais vivemos em função dele, mais miseráveis ficamos. "Money, money", p.72.
Toda felicidade é construída por emoções secretas. Podem até comentar sobre nós, mas nos capturar, só se permitirmos. "A minha felicidade não é a sua", p.95.
Reações: